O botafoguense é um herói

Eu já tive pena de torcidas pelos mais diversos motivos. As vezes eles fazem festas lindas, viajam pra longe, apoiam o inacreditável e perdem.

Já fui parte disso em alguns momentos que meu time não mereceu perder. Mas eu nunca tinha visto em 45 anos um clube fazer com seu torcedor o que o Botafogo está fazendo com o botafoguense.

Fosse rebaixado seria menos doloroso. Ao menos seria por etapas. Hoje ele estaria apenas rezando como diversas vezes o fez esperando pelo pior.

Mas não. Não satisfeito com anos sem trégua de sofrimento eles deram ao torcedor o sonho impossível de ganhar o Brasileirão. E não era mais um sonho. Em determinado momento era um fato.

E aí, embora houvesse como perder, nem o mais pessimista de todos eles assinaria tal roteiro.

Não há flamenguista no mundo que pudesse ser tão cruel quanto os fatos. O que o botafoguense vive hoje é uma espécie de experimento social inédito para conhecer os limites do amor.

O termo “incondicional” vai ser rebatizado. Você me ama? Sim? Muito? Sim. Tipo um botafoguense?

Namoradas terão esse diálogo com seus dignissimos. Porque de fato não há amor que suporte relacionamento tão tóxico, pra usar termos modernos lacrantes.

Nunca vou ter pena do Botafogo. É um dos maiores clubes da história do futebol e não merece a pena de ninguém. Mas o que o botafoguense está vivendo desde o intervalo contra o Palmeiras é o mais cinematográfico processo de tortura psicologica que o futebol já proporcionou a alguem.

Sempre no fim. Sempre com tudo nas mãos. Sempre quando a esperança volta.

Parece sacanagem. E as vezes é tão absurdo, mas tão absurdo, que ainda acho que o Botafogo será campeão pra compensar tudo isso.

Mas não vai. Embora tivesse a obrigação de ser.

Se um dia a vida quiser devolver a altura pro botafoguense toda sua devoção terá que lhe entregar o maior título da história de um clube brasileiro em todos os tempos. E ainda assim ficará devendo.

Eu sinto pena do botafoguense hoje. E uma admiração absurda por aqueles que não vão abandonar e viver tudo de novo em 2024.

RicaPerrone