Home Sem bola Qual a chance do Brasil?

Qual a chance do Brasil?

0
Qual a chance do Brasil?

Eu achei que o Brasil podia estar evoluindo. Acreditei mais por otimismo do que por fatos de que o debate político seria um passo a frente, uma nova forma de enxergar as coisas e que portanto poderíamos mudar pra melhor.

Eu errei feio. Não se discute nada numa sociedade manipulada por uma imprensa mafiosa e uma classe política que finge diferenças pra nos roubar unidos.

Qual o sentido em discutir política num país onde as casas lotéricas precisam colocar corda na caneta pra não roubarem?

O que você espera de um debate público com esse público?

Democracia, sempre! Mas democracia no zoologico não tem como resultar em algo muito inteligente.

As pessoas são proibidas de beber porque o estado não consegue prender e individualizar o crime. As pessoas tem que tirar porta de um estádio pro visitante não quebrar. O visitante, sem portas, quebra as cadeiras.

Nos banheiros do Brasil tem um aviso pra não urinar fora do vaso. Um cachorro aprende, nós não.

Diante de tais fatos como você espera discutir algo em massa que não termine num festival de opiniões baseadas em nada buscando likes?

O Brasil compra curso de coach digital.

Influenciador sem profissão tá rico no Brasil. Basta te dizer que fiquei rico com apostas que você, otário, vai lá e compra meu curso enquanto eu enriqueco com cursos, não com apostas.

Seu filho quer ser tiktoker e não engenheiro. E pior: você apoia mesmo tendo visto todas as redes sociais crescerem e sumirem ao longo dos anos.

Lidar com um público mais abrangente me fez perceber que tudo não passa de um sonho. Você não está numa democracia, mas sim numa maquina de moer inimigos da mídia.

Você não está discutindo a prioridade, mas sim o que faz cortina de fumaça pra quem manda poder agir.

Quem tem um vazamento no banheiro e sai pra comprar tapete da sala? O Brasil.

Menine ou Menino? Todos ou todes? O Monark deve ou não existir? O Rica brigou com o entregador ou não? O humorista pode fazer piada?

Na capa, Chico Buarque atravessa a rua no Leblon. Escondido no rodapé, mais uma chacina.

E você ali, tentando convencer pessoas nas redes sociais de que há um outro ponto de vista.

Democraticamente, se não concordarem, te calam. E você ainda acha que há debate no Brasil? Jornalistas condenados por ouvir os dois lados e os que militam ao invés de informar premiados pelos colegas.

Combate a fake news ditado e orquestrado pelos maiores plantadores de fake news da história.

E o brasileiro ali, tentando aprender que não pode roubar do coleguinha, que não é normal não ter esgoto, e que se você não tem não faz sentido continuar com os mesmos políticos de antes.

É um país que se resume num anuncio do Mercado Livre.

Anuncie: Vendo Corsa cinza, não aceito troca. E então você terá 40 perguntas sobre a cor e se você aceita trocar.

Ninguém lê. Todos param na manchete. Manipulados, frouxos e ignorantes. Essa é a média nacional.

Achava o Brasil um circo. Hoje acho uma selva.

A imagem internacional de um bando de índio pelado tomando volta de europeu na praia é real. Só mudou o pano de fundo, a roupa, o índio, mas não o contexto.

Voltemos ao que interessa. Joga Paquetá ou Fred?

Porque nessa época, pelo menos, assumiamos nossa ignorancia e conviviamos em paz. Agora nos achamos prontos e brigamos com amigos e parentes por um país que não tem a menor chance de dar certo.

E não vai dar. Prometo.

RicaPerrone